top of page
focosmais-header-blog.png

Assine nossa newsletter!

Pronto, você está cadastrado(a) na nossa Newsletter

Manual Prático de todas as Declarações Acessórias



Artigo produzido por Leila Vilas Boas. Para manter uma empresa regular, além de cumprir com a obrigação principal que é o pagamento dos tributos, é necessário também cumprir com as obrigações acessórias. As declarações exigidas pelo fisco são consideradas obrigações acessórias e cada regime tributário tem declarações específicas, com prazos e fatos geradores diversos.


Neste artigo, preparamos um manual prático com tudo que você precisa saber sobre as principais declarações acessórias no âmbito federal.


Microempreendedor Individual (MEI)

O microempreendedor individual deve enviar a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN SIMEI), mesmo sem ter faturamento no ano.


Forma de envio: via internet, pelo site do Simples Nacional, no módulo SIMEI.

O que é informado na declaração: receitas ocorridas no ano ou a não ocorrência de receitas, separadas por atividade: comércio,indústria e serviço.

Prazo: último dia útil do mês de maio do ano subsequente.

Periodicidade: Anual.

Multa pelo não envio: 2% sobre o valor total dos tributos declarados por mês de atraso, limitado a 20%. O valor da multa mínima é R$ 50,00. Caso a entrega da declaração em atraso seja espontânea, a Receita Federal aplica uma redução de 50% do valor da multa, observando o valor da multa mínima.


Dica do Mestre: É importante que o microempreendedor mantenha um controle dos seus recebimentos durante o ano para informar corretamente na DASN.


Simples Nacional

1. A empresa optante pelo Simples Nacional deve enviar o PGDAS, que deve ser transmitido mesmo que a empresa não tenha tido faturamento no período. A partir dessa declaração é gerada a guia do DAS.


Forma de envio: via internet, pelo site do Simples Nacional.

O que é informado na declaração: receitas ocorridas no mês ou a não ocorrência de receita, separadas por anexo, que é definido pela atividade.

Prazo: Até o dia 20 do mês subsequente.

Periodicidade: Mensal.

Multa pelo não envio: 2% por mês em atraso sobre o valor dos impostos e contribuições incidentes na declaração, limitados a 20%. Caso a entrega seja espontânea, a Receita Federal aplica uma redução de 50%, observando a aplicação da multa mínima, que é R$ 50,00.


2. Além do PGDAS, as empresas optantes pelo Simples Nacional são obrigadas a enviar a Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (DEFIS):


Forma de envio: via internet, pelo site do Simples Nacional.

O que é informado na declaração: inatividade (se for o caso),ganhos de capital,quantidade de empregados,rendimentos dos sócios,receitas de exportação,aquisições de mercadorias,devoluções,importações e informações contábeis (saldo dos bancos,despesas e estoque).

Prazo: último dia útil do mês de março do ano subsequente.

Periodicidade: Anual.

Multa pelo não envio: não há multa para entrega em atraso da DEFIS, porém, o PGDAS de abril do ano calendário só poderá ser transmitido após a entrega da DEFIS. Caso existam PGDAS pendentes, incidirá a multa do PGDAS.


Dica do Mestre: é necessário manter a escrituração contábil regular, envie para o seu contador os extratos bancários e os demais documentos solicitados mensalmente.


Lucro Real e Lucro Presumido

Neste tópico, iremos listar as principais declarações exigidas às empresas tributadas pelo Lucro Real e Lucro Presumido.


1. Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF):


Forma de envio: via programa gerador.

O que é informado na declaração: valor do débito apurado dos impostos e informações do pagamento (se foi o valor foi recolhido,compensado, parcelado ou suspenso).

Devem ser informados na DCTF os seguintes impostos,caso tenha ocorrência no período :IRPJ,IRRF,IPI,IOF,CSLL,PIS/PASEP,COFINS,CPMF,CID,RET,CSRF,COSIRF e CPRB.

Prazo: 15º dia útil do segundo mês subsequente.

Periodicidade: Mensal.

Multa pelo não envio: 2% por mês em atraso sobre o valor dos impostos e contribuições incidentes na declaração ,limitados a 20%, considerando o valor da multa mínima, que é R$ 200,00 para PJ inativa e R$ 500,00 para PJ ativa.


Dica do Mestre: de acordo com o art. 5º da IN RFB 2005 de 29 de janeiro de 2021, estão dispensadas da entrega da DCTF as pessoas jurídicas inativas ou que não tenham débitos a declarar, a partir do 2º mês em que permanecerem nessa condição.



2. EFD Contribuições (PIS e COFINS):


Forma de envio: o arquivo é gerado pelo ERP utilizado pela empresa ou pela contabilidade e é importado no validador para ser transmitido no ambiente SPED.

O que é informado na declaração: todas informações referente a apuração do PIS e COFINS: notas fiscais de faturamento,receita bruta,retenções e créditos.

Prazo: 10º dia útil do segundo mês subsequente.

Periodicidade: Mensal.

Multa pelo não envio: A multa por apresentação de EFD Contribuições com incorreções, omissões está prevista no art. 12 da Lei Nº 8.218/91:


Art. 12 - A inobservância do disposto no artigo precedente acarretará a imposição das seguintes penalidades:

(...)

II - multa equivalente a 5% (cinco por cento) sobre o valor da operação correspondente, limitada a 1% (um por cento) do valor da receita bruta da pessoa jurídica no período a que se refere a escrituração, aos que omitirem ou prestarem incorretamente as informações referentes aos registros e respectivos arquivos;

(...)

Parágrafo único. Para as pessoas jurídicas que utilizarem o Sistema Público de Escrituração Digital, as multas de que tratam o caput deste artigo serão reduzidas:

I - à metade, quando a obrigação for cumprida após o prazo, mas antes de qualquer procedimento de ofício;

II - a 75% (setenta e cinco por cento), se a obrigação for cumprida no prazo fixado em intimação.


3. EFD ICMS:


Forma de envio: o arquivo é gerado pelo ERP utilizado pela empresa ou pela contabilidade e é importado no validador para ser transmitido no ambiente SPED.

O que é informado na declaração: todas informações referente a apuração do ICMS e IPI: notas fiscais de entradas e saídas e livros fiscais.

Prazo: o prazo é estabelecido pelas Secretarias da Fazenda estaduais. Consulte a SEFAZ do seu estado.

Periodicidade: Mensal.

Multa pelo não envio: Incidem duas multas: uma aplicada pela SEFAZ estadual (consulte a legislação do seu estado) e outra aplicada pela Receita Federal.

De acordo com a Lei nº 13.670/2018,

as penalidades são:

I - multa equivalente a 0,5% (meio por cento) do valor da receita bruta da pessoa jurídica no período a que se refere a escrituração aos que não atenderem aos requisitos para a apresentação dos registros e respectivos arquivos;

II - multa equivalente a 5% (cinco por cento) sobre o valor da operação correspondente, limitada a 1% (um por cento) do valor da receita bruta da pessoa jurídica no período a que se refere a escrituração, aos que omitirem ou prestarem incorretamente as informações referentes aos registros e respectivos arquivos; e

III - multa equivalente a 0,02% (dois centésimos por cento) por dia de atraso, calculada sobre a receita bruta da pessoa jurídica no período a que se refere a escrituração, limitada a 1% (um por cento) dessa, aos que não cumprirem o prazo estabelecido para apresentação dos registros e respectivos arquivos.


4. Escrituração Contábil Digital (ECD):


Forma de envio: o arquivo é gerado pelo ERP utilizado pela empresa ou pela contabilidade e é importado no validador para ser transmitido no ambiente SPED.

O que é informado na declaração: transmissão do balancete,balanço, livros razões e diários.

Prazo: último dia útil do mês de junho do ano subsequente.

Periodicidade: Anual.

Multa pelo não envio: 0,5% da receita bruta do período correspondente.


5. Escrituração Contábil Fiscal (ECF):


Forma de envio: o arquivo é gerado pelo ERP utilizado pela empresa ou pela contabilidade e é importado no validador para ser transmitido no ambiente SPED.

O que é informado na declaração: relatórios contábeis e apuração do IRPJ e CSLL.

Prazo: último dia útil do mês de julho do ano subsequente.

Periodicidade: Anual.

Multa pelo não envio: 1% da receita bruta do período correspondente.


Declarações obrigatórias independente do regime tributário:



  1. EFD REINF


Forma de envio: via ERP e E-CAC.

O que é informado na declaração: retenções de INSS nos serviços prestados e tomados,retenções de IR, CSLL, COFINS, PIS/PASEP nos pagamentos efetuados a pessoas físicas e jurídicas,auto-retenção do IR.

Prazo: 10º dia útil do primeiro mês subsequente.

Periodicidade: Mensal.

Multa pelo não envio: O valor da multa mínima pelo não envio é de R$ 500,00.


1. ESOCIAL


Forma de envio: via ERP e sistema E-SOCIAL.

O que é informado na declaração: todas informações da folha de pagamento, como por exemplo: admissões, rescisões, férias, comunicação de acidente de trabalho, pró-labore do sócio, entre outros eventos relativos à folha.

Prazo: a depender do evento.

Periodicidade: mensal.

Multa pelo não envio: A multa é variável, aplicada de acordo com o evento não enviado.


2. DCTFWeb


Forma de envio: via ERP e E-CAC.

O que é informado na declaração: integração dos eventos informados no E-SOCIAL e EFD REINF para geração das guias correspondentes aos eventos.

Prazo: 15º dia útil do primeiro mês subsequente.

Periodicidade: Mensal.

Multa pelo não envio: 2% por mês em atraso sobre o valor dos impostos e contribuições incidentes na declaração,limitados a 20%.


Dica do Mestre: Atualmente só são geradas as guias referente ao INSS. A partir de 01/2024, será possível emitir as guias de IR e PCC dos fatos geradores informados no evento R-4000 da EFD REINF.


Este manual foi desenvolvido para você consultar de forma prática e objetiva sempre que tiver dúvidas sobre alguma declaração. Nosso foco é facilitar sua vida! Alguns tópicos que também podem ser de seu interesse:




Nos acompanhe também nas mídias sociais:









52 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


categorias:

recentes:

notícias:

dúvidas?

bottom of page