top of page
focosmais-header-blog.png

Assine nossa newsletter!

Pronto, você está cadastrado(a) na nossa Newsletter

Horário de Almoço: você conhece todas as regras?



Artigo produzido por Marina Santos Pinheiro


Navegue por tópicos:


Introdução

É dever do empregador a concessão do intervalo para revigoramento e reposição das energias dos trabalhadores. As pausas na jornada de trabalho são momentos bastante esperados e dentre as inúmeras atividades que os empregados realizam nesse período, o intervalo para refeição, o famoso “horário de almoço” é o mais conhecido. Você já sabe quais as regras e as recorrentes alterações relacionadas ao horário de almoço?



Definindo o “horário de almoço”

O “horário de almoço” é uma expressão popular para o intervalo intrajornada. É um período de descanso concedido ao trabalhador para que ele possa fazer uma pausa breve, se alimentar ou cuidar de seus compromissos pessoais.


De acordo com o §2° do art. 71 da CLT, o intervalo de descanso não será computado na duração do trabalho, sendo assim, não conta como hora trabalhada.

Caso o empregado tenha uma jornada de trabalho de 8h, e 1h de descanso, na prática ele sairá da empresa após 9h. Por isso, denominamos de intervalo intrajornada.


E quando eu devo conceder o intervalo ao meu empregado?


De acordo com o Art. 71 da CLT:


Art. 71 - Em qualquer trabalho contínuo, cuja duração exceda de 6 (seis) horas, é obrigatória a concessão de um intervalo para repouso ou alimentação, o qual será, no mínimo, de 1 (uma) hora e, salvo acordo escrito ou contrato coletivo em contrário, não poderá exceder de 2 (duas) horas.


§ 1º - Não excedendo de 6 (seis) horas o trabalho, será, entretanto, obrigatório um intervalo de 15 (quinze) minutos quando a duração ultrapassar 4 (quatro) horas.


Exemplificando:

  • Jornada superior a 6 horas: Mínimo 1 hora, máximo 2 horas de intervalo.

  • Jornada entre mais de 4 horas e 6 horas: 15 minutos de intervalo.

Dica de mestre: O intervalo, inclusive, também é obrigatório para jornadas noturnas de trabalho.



Estagiário e Jovem Aprendiz têm direito ao horário de almoço?

A legislação do estagiário é omissa em relação à concessão do intervalo ao estagiário. Porém, por convenção à CLT, muitos supervisores concedem 15 minutos de descanso aos seus estagiários para fazer um lanche ou se alongar, já que a jornada do estagiário, conforme Lei de Estágio (Lei 11.788/2008) é de até 6 horas.


Em relação ao Jovem Aprendiz, é expresso na CLT, de acordo com o Art. 432 que: A duração do trabalho do aprendiz não excederá de seis horas diárias, sendo vedadas a prorrogação e a compensação de jornada.

Sendo assim, conforme legislação supracitada, não excedendo as seis horas de trabalho, o intervalo será de 15 minutos.



Quantas horas de intervalo devo conceder ao meu empregado?

A quantidade de horas de intervalo é negociada entre empregado e empregador, desde que respeitem os limites estabelecidos no caput do Art. 71 da CLT de no mínimo 1 hora e no máximo 2 horas.

Para períodos superiores a 2 horas, é válido tanto o acordo individual com o empregado quanto o expresso em convenção coletiva.


O empregado pode não ter ou reduzir o período de descanso para sair mais cedo?

O intervalo é considerado um período de descanso para os empregados e não é computado na jornada de trabalho, sendo assim, caso o empregado por exemplo, registre o retorno do intervalo com 20 minutos a menos, este período suprimido implicará pagamento de indenização por parte do empregador.


Segundo o §4° do art. 71 da CLT:


A não concessão ou a concessão parcial do intervalo intrajornada mínimo, para repouso e alimentação, a empregados urbanos e rurais, implica o pagamento, de natureza indenizatória, apenas do período suprimido, com acréscimo de 50% (cinquenta por cento) sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho.



Posso fazer redução permanente do intervalo do meu empregado?

Sim, porém a redução possui requisitos que precisam ser atendidos. Veja:


Antes da reforma trabalhista de 2017 apenas era possível realizar a redução do intervalo de motoristas, cobradores, fiscalização de campo e afins nos serviços de operação de veículos rodoviários, empregados no setor de transporte coletivo de passageiros, desde que previsto em convenção coletiva de trabalho, onde o intervalo suprimido poderia ser compensado entre a primeira e a última hora de trabalho (entrando mais tarde ou saindo mais cedo) sem prejuízo da remuneração.


Com a lei 13.467/2017 (reforma trabalhista), o inciso III do artigo 611-A permitiu que a redução do intervalo fosse válida para qualquer trabalhador caso esteja prevista em convenção ou acordo coletivo, respeitado o limite mínimo de 30 minutos para jornadas superiores a seis horas.


Dica do mestre:

Para realizar o controle do horário de almoço e evitar penalidades como as descritas acima, você pode adquirir soluções práticas, como controle via aplicativo de Smartphone. Facilita tanto para você quanto para seus empregados!


Gostou do post? Aproveita para aprender com a Focosmais conferindo nossos inúmeros artigos. Nos siga para mais conteúdo e não se esqueça de clicar no coraçãozinho e compartilhar.


Alguns tópicos que também podem ser de seu interesse:




Nos acompanhe também nas mídias sociais:











1.171 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


categorias:

recentes:

notícias:

dúvidas?

bottom of page